Investimentos

Vieses comportamentais no investimento: Entenda o que são e conheça 16 exemplos Cover image

Introdução aos vieses comportamentais: o que são e sua importância nos investimentos

Quando pensamos em investimentos, muitas vezes imaginamos que as decisões são tomadas com base em análises racionais e objetivas. No entanto, a realidade é que os investidores são seres humanos e, como tal, estão sujeitos a uma série de vieses comportamentais que podem influenciar suas escolhas. Assim, é essencial entender o que são esses vieses e como eles podem impactar nossas decisões financeiras.

Os vieses comportamentais são desvios sistemáticos de julgamento que ocorrem quando as pessoas processam e interpretam informações. Esses vieses geralmente resultam de heurísticas, ou seja, atalhos mentais que facilitam a tomada de decisões rápidas, mas que podem levar a erros. No contexto dos investimentos, esses vieses podem fazer com que investidores tomem decisões subótimas, impactando negativamente seus rendimentos.

A psicologia financeira é o campo que estuda como os fatores psicológicos influenciam o comportamento dos indivíduos no mercado financeiro. Entender esses fatores é crucial para melhorar a tomada de decisões e para se proteger contra armadilhas comuns. Isso não apenas ajuda a otimizar o desempenho dos investimentos, mas também promove uma abordagem mais consciente e informada para a gestão financeira.

Considerando a complexidade dos mercados financeiros e a abundância de informações disponíveis, é quase inevitável que os investidores sejam influenciados por vieses comportamentais. Reconhecer esses vieses e adotar estratégias para mitigá-los pode fazer uma diferença significativa nos resultados dos investimentos a longo prazo.

A intersecção entre psicologia e finanças: como os vieses influenciam decisões

A intersecção entre psicologia e finanças resulta na psicologia financeira, um campo que explora como as emoções e os processos mentais impactam as decisões financeiras. Diferentemente da teoria econômica clássica, que assume que os investidores são racionais e maximizadores de utilidade, a psicologia financeira reconhece que as decisões financeiras muitas vezes são influenciadas por fatores irracionais.

Por exemplo, o comportamento humano é frequentemente guiado por emoções como medo e ganância. Durante uma crise financeira, o medo pode levar investidores a venderem ativos precipitadamente, enquanto em um mercado em alta, a ganância pode levar à compra de ativos supervalorizados. Esses comportamentos contradizem os princípios básicos de “comprar na baixa e vender na alta”.

Além das emoções, os vieses cognitivos também desempenham um papel crucial. A heurística da disponibilidade, o viés de confirmação e a ancoragem são apenas alguns exemplos de como nossos cérebros podem nos enganar. Esses vieses não apenas distorcem nossa percepção da realidade, mas também podem levar a erros sistemáticos que afetam negativamente o desempenho dos investimentos.

Heurística da disponibilidade: como a recência de informações pode enganar investidores

A heurística da disponibilidade é um viés cognitivo que ocorre quando as pessoas avaliam a probabilidade de eventos com base na facilidade com que exemplos vêm à mente. No contexto dos investimentos, isso significa que os investidores tendem a dar mais peso a informações ou eventos recentes ao tomarem decisões financeiras.

Por exemplo, após uma queda significativa no mercado de ações, investidores podem superestimar a probabilidade de futuras quedas, simplesmente porque esses eventos estão frescos em suas mentes. Isso pode levar à venda precipitada de ativos, resultando em perdas realizáveis que poderiam ter sido evitadas.

Além disso, a mídia também desempenha um papel importante na heurística da disponibilidade. Notícias frequentemente destacam eventos extremos, como grandes ganhos ou perdas, que podem distorcer a percepção dos investidores sobre a frequência real desses eventos. Como resultado, os investidores podem tomar decisões baseadas em uma visão distorcida da realidade.

Para mitigar o impacto desse viés, é crucial que os investidores adotem uma abordagem baseada em dados e análises históricas em vez de confiar em impressões subjetivas. Por exemplo, manter um diário de investimentos pode ajudar a registrar as decisões tomadas e as razões por trás delas, proporcionando uma base mais sólida para avaliar futuras ações.

Viés de confirmação: a tendência de favorecer informações que confirmem crenças prévias

O viés de confirmação ocorre quando as pessoas tendem a buscar, interpretar e lembrar informações de uma maneira que confirma suas crenças e hipóteses anteriores. No contexto dos investimentos, isso pode levar a decisões de investimento enviesadas e a ignorar informações que contradizem suas expectativas.

Uma forma comum em que o viés de confirmação se manifesta é quando os investidores procuram apenas análises e dados que suportam suas previsões de mercado, ignorando evidências contrárias. Por exemplo, um investidor otimista sobre uma determinada ação pode negligenciar relatórios financeiros negativos e focar apenas nas notícias positivas, resultando em uma avaliação desequilibrada e possivelmente arriscada.

Este viés também pode influenciar a forma como os investidores lidam com seus erros. Quando uma escolha de investimento se revela equivocada, é comum que o investidor encontre justificativas externas para o erro, em vez de reconsiderar suas premissas iniciais. Isso impede o aprendizado e a correção de futuras decisões.

Para combater o viés de confirmação, é recomendável que os investidores busquem ativamente perspectivas contrárias e considerem opiniões divergentes. Uma estratégia é desenvolver um “plano de investimento adversário” que force a consideração de cenários negativos e seus impactos potenciais, promovendo uma análise mais equilibrada.

Ancoragem: o impacto de uma informação inicial nos subsequentes julgamentos de valor

Ancoragem é um viés cognitivo onde uma informação inicial desempenha um papel desproporcional no julgamento subsequente de valor. Em termos de investimentos, isso significa que os investidores frequentemente baseiam suas decisões e avaliações em números ou referências iniciais, mesmo que essas âncoras não sejam relevantes ou precisas.

Por exemplo, se um investidor se lembra que uma determinada ação era cotada a R$ 100 no passado, ele pode considerar esse valor como uma âncora ao avaliar o preço atual da ação, mesmo que as condições de mercado ou os fundamentos da empresa tenham mudado significativamente. Isso pode levar a decisões imprudentes, como a retenção de uma ação em queda na expectativa de que ela retornará ao seu preço âncora.

Este viés também pode influenciar as expectativas de retornos futuros. Por exemplo, após uma rápida valorização de um ativo, investidores podem ancorar suas expectativas nos preços recentes, assumindo que a tendência continuará indefinidamente. Isso ignora a volatilidade e os riscos reais do mercado, potencialmente levando a grandes perdas.

Uma forma de mitigar o impacto da ancoragem é recorrer a avaliações baseadas em múltiplos parâmetros e estudos fundamentados, em vez de se fixar em um único ponto de referência. Ferramentas como análises de sensibilidade e cenários podem ajudar a oferecer uma visão mais equilibrada e reduzir a dependência de âncoras iniciais.

Excesso de confiança: como a autoestima pode levar a decisões de risco

O excesso de confiança é um viés comportamental onde os indivíduos superestimam suas capacidades, conhecimentos e controle sobre os resultados. No mundo dos investimentos, esse viés pode resultar em decisões excessivamente arriscadas e em uma subestimação dos riscos envolvidos.

Investidores excessivamente confiantes frequentemente acreditam que suas análises e previsões são superiores às do mercado, levando-os a fazer trades frequentes ou a investir em ativos de alto risco. Estudos mostram que investidores mais confiantes tendem a ter um desempenho inferior ao mercado, devido ao maior volume de operações e aos custos associados.

Além disso, o excesso de confiança pode levar à negligência de sinais de alerta. Por exemplo, um investidor pode ignorar indicadores negativos ou conselhos prudentes de profissionais, acreditando que sua intuição ou análise pessoal será suficiente para evitar perdas. Isso pode resultar em exposições desnecessárias a riscos e em perdas significativas.

Para combater o excesso de confiança, é fundamental que os investidores adotem uma abordagem humilde e disciplinada. Manter um portfólio diversificado, seguir uma estratégia de investimento clara e revisar periodicamente o desempenho à luz do feedback do mercado são práticas recomendáveis. Também é útil buscar conselho especializado e estar disposto a ajustar estratégias quando necessário.

Efeito manada: a influência do comportamento coletivo em decisões individuais de investimento

O efeito manada ocorre quando indivíduos seguem o comportamento de um grupo, independentemente de suas próprias análises ou convicções. No contexto dos investimentos, essa tendência pode levar a bolhas financeiras e a crashes de mercado, exacerbados pela adoção de decisões irracionais em massa.

Por exemplo, durante a bolha das empresas pontocom no final dos anos 1990, muitos investidores compraram ações de empresas de tecnologia sem fundamentos sólidos, apenas porque todos os outros estavam fazendo o mesmo. Quando a bolha estourou, muitos foram pegos de surpresa, sofrendo perdas substanciais.

A pressão social também desempenha um papel significativo no efeito manada. Investidores podem sentir-se compelidos a seguir o grupo para evitar a sensação de “ficar de fora”. Isso pode levar a decisões precipitadas, como investir em um ativo supervalorizado sem a devida diligência.

Para mitigar o impacto do efeito manada, é essencial que os investidores desenvolvam uma estratégia de investimento baseada em fundamentos sólidos e em uma análise independente. Questionar constantemente o raciocínio por trás das decisões de investimento e evitar a pressão social são práticas recomendáveis. Além disso, uma abordagem contrária ao mercado, onde se busca ativos subvalorizados ou ignorados, pode frequentemente resultar em melhores retornos ajustados ao risco.

Desvio de aversão à perda: o medo de perder superando a vontade de ganhar

O desvio de aversão à perda é um viés comportamental em que a dor de uma perda é sentida com mais intensidade do que o prazer de um ganho equivalente. Essa tendência pode levar os investidores a tomar decisões excessivamente cautelosas ou mesmo irracionais.

Por exemplo, um investidor pode se recusar a vender uma ação em queda, na esperança de que o preço se recupere, para evitar cristalizar a perda. Essa atitude pode resultar em perdas ainda maiores se o preço continuar a cair.

A aversão à perda também pode levar a uma alocação de ativos excessivamente conservadora, com investidores preferindo manter seu capital em dinheiro ou em títulos de baixo risco, mesmo quando suas metas de longo prazo exigem uma exposição maior a ações ou outros ativos de risco. Isso pode levar a um desempenho abaixo do necessário para atingir seus objetivos financeiros.

Para combater o desvio de aversão à perda, é fundamental adotar uma perspectiva de longo prazo e focar em objetivos ao invés de flutuações de curto prazo. Estratégias como a diversificação de portfólio e a rebalanceamento periódico podem ajudar a mitigar o impacto das perdas e melhorar a resiliência do portfólio a volatilidades de curto prazo.

Viés de sobrevivência: a tendência de olhar apenas para os sucessos, ignorando os erros

O viés de sobrevivência é um erro de lógica em que se concentra a análise apenas nos casos que “sobreviveram” ou foram bem-sucedidos, ignorando os que falharam. No mundo dos investimentos, isso pode levar a conclusões incorretas sobre o desempenho de estratégias ou ativos específicos.

Um exemplo clássico de viés de sobrevivência é o foco em fundos de investimento que tiveram um desempenho excepcional, ignorando os fundos que fecharam devido a mau desempenho. Isso pode levar os investidores a superestimar as chances de sucesso de estratégias de alto risco e a subestimar os riscos envolvidos.

Da mesma forma, a análise de empresas de sucesso, ignorando as que foram à falência, pode criar uma imagem distorcida do que é necessário para ter sucesso no mercado. Isso pode resultar em uma alocação inadequada de recursos e em uma subestimação dos desafios e riscos.

Para mitigar o viés de sobrevivência, é recomendável que os investidores considerem uma amostra completa, incluindo os fracassos, ao analisar o desempenho histórico e as estratégias de investimento. Análises quantitativas, que englobam tanto os vencedores quanto os perdedores, podem fornecer uma visão mais equilibrada e realista.

Mais exemplos de vieses comportamentais e como eles podem ser identificados

Existem muitos outros vieses comportamentais que podem impactar as decisões de investimento. Abaixo estão alguns exemplos adicionais e como eles podem ser identificados:

  1. Efeito de posse: O efeito de posse ocorre quando os investidores atribuem mais valor a ativos que já possuem, em comparação com ativos que não possuem. Isso pode levar à retenção de ativos subótimas.
  2. Viés de retrospecção: Este viés ocorre quando os investidores veem eventos passados como previsíveis após eles terem acontecido. Acreditar que resultados anteriores eram claros pode levar a um excesso de confiança em previsões futuras.
  3. Viés de status quo: A tendência de preferir a situação atual e evitar mudanças. Isso pode resultar na manutenção de uma alocação de ativos desatualizada, que não corresponde mais aos objetivos ou perfil de risco do investidor.
  4. Aversão à ambiguidade: A preferência por opções com riscos conhecidos em detrimento de alternativas com riscos desconhecidos. Isso pode levar à evitação de oportunidades potencialmente lucrativas apenas porque os riscos não são totalmente compreendidos.

Para identificar esses vieses, é importante manter um registro das decisões de investimento e das razões por trás delas. Revisar essas decisões periodicamente pode ajudar a revelar padrões de comportamento irracional. Usar ferramentas como checklists e consultoria financeira também pode ser útil para fornecer uma perspectiva mais objetiva e baseada em dados.

Conclusão: estratégias para mitigar o impacto dos vieses comportamentais ao investir

Reconhecer a influência dos vieses comportamentais é o primeiro passo para melhorar a qualidade das decisões de investimento. No entanto, apenas a conscientização não é suficiente. É crucial adotar estratégias práticas para mitigar o impacto desses vieses no longo prazo.

Uma das estratégias mais eficazes é a diversificação do portfólio. Diversificar os investimentos ajuda a espalhar o risco e a reduzir a probabilidade de perdas significativas devido a decisões enviesadas. Manter um portfólio equilibrado e bem diversificado com base em uma análise criteriosa dos ativos pode ajudar a suavizar os altos e baixos do mercado.

Outra abordagem eficaz é a rebalanceamento periódico do portfólio. Isso envolve ajustar a alocação de ativos para manter a estratégia original, o que pode ajudar a combater vieses como a ancoragem e o viés de posse. Além disso, seguir uma estratégia de investimento sistemática, baseada em regras e critérios predeterminados, pode fornecer uma base objetiva para a tomada de decisões.

Por fim, buscar a educação financeira contínua é fundamental para melhorar o entendimento dos investidores sobre os mercados e os comportamentos financeiros. Participar de cursos, ler livros e artigos sobre psicologia financeira e consultar regularmente profissionais de investimento podem fornecer insights valiosos e ajudar a manter uma perspectiva equilibrada e informada.

Recapitulando os principais pontos

  • Vieses comportamentais são desvios sistemáticos de julgamento que afetam decisões de investimento.
  • Psicologia financeira explora como emoções e processos mentais influenciam decisões financeiras.
  • Heurística da disponibilidade leva investidores a superestimar a probabilidade de eventos que vêm à mente com facilidade.
  • Viés de confirmação faz com que investidores busquem informações que confirmem suas crenças prévias.
  • Ancoragem significa que informações iniciais têm impacto desproporcional em julgamentos subsequentes.
  • Excesso de confiança resulta em decisões excessivamente arriscadas devido à superestimação das próprias capacidades.
  • Efeito manada ocorre quando indivíduos seguem o comportamento de um grupo.
  • Desvio de aversão à perda significa que as perdas são sentidas com mais intensidade que os ganhos equivalentes.
  • Viés de sobrevivência leva a superestimar as chances de sucesso ao ignorar os fracassos.
  • Diversas estratégias, como diversificação e rebalanceamento de portfólio, podem ajudar a mitigar esses vieses.

FAQ (Perguntas Frequentes)

1. O que são vieses comportamentais? Vieses comportamentais são desvios sistemáticos de julgamento que ocorrem quando as pessoas processam e interpretam informações de maneira tendenciosa.

2. Como os vieses comportamentais influenciam os investimentos? Eles podem levar investidores a tomar decisões subótimas, como vender ativos em queda ou seguir a manada, resultando em rendimentos inferiores ou perdas.

3. O que é psicologia financeira? Psicologia financeira é a disciplina que estuda como fatores psicológicos influenciam o comportamento dos indivíduos no mercado financeiro.

4. O que é a heurística da disponibilidade? É um atalho mental onde as pessoas avaliam a probabilidade de eventos com base na facilidade com que exemplos vêm à mente.

5. Como identificar o viés de confirmação? O viés de confirmação pode ser identificado quando uma pessoa busca ou interpreta informações de maneira a confirmar suas crenças prévias, ignorando evidências contrárias.

6. O que é ancoragem? Ancoragem é o viés cognitivo onde uma informação inicial (âncora) influencia desproporcionalmente os julgamentos subsequentes de valor.

7. Como o excesso de confiança afeta os investidores? Faz com que subestimem riscos e superestimem suas habilidades, levando a decisões excessivamente arriscadas e potencialmente a um desempenho inferior.

8. Como mitigar o efeito manada? Desenvolver uma estratégia de investimento baseada em fundamentos sólidos, análises independentes, e evitar seguir a pressão social pode ajudar a mitigar esse efeito.

Referências

  1. Kahneman, D. (2011). Thinking, Fast and Slow. Farrar, Straus and Giroux.
  2. Barberis, N., & Thaler, R. (2003). A survey of behavioral finance. In Handbook of the Economics of Finance (Vol. 1, pp. 1053-1128). Elsevier.
  3. Shiller, R. J. (2003). From Efficient Markets Theory to Behavioral Finance. Journal of Economic Perspectives, 17(1), 83-104.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *